Notícias

Brigadas do Naturatins controlam focos de incêndio nas regiões de Palmas e Luzimangues

08/08/2019 - Alvaro Vallim/Governo do Tocantins

A brigada contra incêndio florestal do Parque Estadual do Lajeado (PEL) e da Área de Proteção Ambiental (APA) Lago de Palmas foram acionadas duas vezes esta semana, sendo a primeira na terça-feira, 6, para combate a focos de incêndio florestal em chácaras na região do entorno do PEL. Na quarta-feira, 7, novo chamado para combate ao fogo em propriedades rurais na região de Luzimangues, município de Porto Nacional, em área que engloba a Área de Proteção Ambiental (APA) Lago de Palmas.

Na terça-feira, 6, os focos se multiplicaram e ganharam força graças ao forte vento que atingiu Palmas e região. Segundo o Tenente Coronel Peterson Ornelas, responsável pela Proteção Contra Incêndios nos Parques, APAs e Monaf, houve combate a focos em duas frentes. A primeira, com brigadistas do Naturatins do PEL e da APA Lago de Palmas, nas chácaras nas proximidades do Stand de Tiro.

Outra frente foi formada por soldados do Exército Brasileiro, nas imediações do quartel e chácaras próximas. Segundo Ornelas, o trabalho em duas frentes foi fundamental para que o fogo não chegasse às imediações da serra.

De acordo com Ornelas, o objetivo principal era evitar que o fogo chegasse ao ponto de subir a serra. “Nós formamos estas frentes para combater o fogo que cresceu com a ação dos ventos e o objetivo principal era evitar que os focos de incêndio chegassem ao pé da serra e subissem, dificultando de sobremaneira o combate”, destacou.

Ainda no dia 6, além dos focos no entorno do Parque Estadual do Lajeado, outro foco surgiu nas margens da TO-080, que liga Palmas à cidade de Paraíso, próximo ao distrito de Luzimangues. Segundo Ornelas, de imediato uma equipe foi deslocada para dar apoio às brigadas em propriedades maiores e também por brigadistas voluntários da comunidade de Luzimangues.

Os focos na região da Serra do Carmo e Lajeado foram controlados ainda no dia 6 e o objetivo principal de não deixar o fogo chegar ao paredão foi cumprido.

Continuação

Mesmo com o combate iniciado no dia 6, os focos na região da APA Lago de Palmas, região de Luzimangues voltaram a ficar fortes na quarta-feira, 7, o que levou com que os brigadistas do APA voltassem ao trabalho na região. No horário de almoço o vento forte fez com que muita fumaça atingisse a rodovia TO-080, obrigando o Naturatins a emitir alerta sobre perigo de acidentes na região.

Durante todo o dia os combates aos focos continuaram com o revezamento de equipes de brigadistas e o trabalho dividido entre às margens direita e esquerda da rodovia TO-080. Na margem direita atuaram seis pessoas do Naturatins e oito voluntários da comunidade local. Na margem esquerda, o combate foi feito por trabalhadores da Fazenda Bom Gado, sob orientação do Naturatins.

Abel Cardoso de Andrade, supervisor da APA Lago de Palmas, que atuou juntamente com a brigada de incêndio nos dois dias, lembra que há uma portaria do Naturatins que proíbe que se faça o uso do fogo ,tanto para queima de restos de vegetação, como também para limpeza de áreas urbanas ou rurais. “Nós pedimos encarecidamente que as pessoas não façam uso do fogo nesta época do ano por causa dos ventos fortes e da baixa umidade, que ajudam a propagar o fogo com mais velocidade e a tomar grandes proporções em pouco tempo”, relata.

De acordo com Peterson Ornelas, o fogo da margem direita foi totalmente debelado ainda na tarde desta quarta-feira, 7, enquanto na outra margem os trabalhos foram até o início da noite. Nas duas margens foram feitos aceiros para conter as chamas evitando que área maior fosse queimada nos dois lados da rodovia.

Orientação

O Naturatins aconselha aos produtores rurais e também aos moradores das áreas urbanas que evitem colocar fogo em lixo, restos de folhas, ou mesmo que se use o fogo para “limpeza” de lotes ou pequenas áreas. Os fortes ventos podem levar fagulhas a muitos metros de distância e dar início a grandes incêndios em áreas florestais, ou até mesmo causar acidentes graves em residências. A baixa umidade do ar, folhas e mato seco que, juntados ao vento forte, são ingredientes perigosos que podem provocar grandes tragédias.