Notícias

Naturatins – 25 anos de História

22/04/2014 - Edvânia Peregrini

Composto grande parte do seu território pelo Cerrado, o segundo maior do bioma do país, o Tocantins ganha destaque pela riqueza dos seus recursos naturais. Aqui, a natureza foi generosa, formando belas e únicas paisagens, água em abundância e ainda, privilegiada pela localização, no coração do Brasil. Foi pensando em proteger, conservar e garantir o equilíbrio ambiental da biodiversidade tocantinense que o Governo do Estado criou, em 21 de abril de 1989, a Fundação Natureza do Tocantins – Naturatins, que se fortaleceu e após sete anos, tornou- se o Instituto Natureza do Tocantins, e neste ano, comemora seus 25 anos de serviços prestados à sociedade e em especial ao meio ambiente.

No começo, ainda com sede na capital provisória, Miracema do Tocantins, o Naturatins era composto por oito pessoas: o presidente, um diretor administrativo-financeiro, um diretor técnico, dois engenheiros florestais, um piloto de barco contratado e dois fiscais. Enquanto que no seu patrimônio havia duas máquinas de escrever, um telefone e duas viaturas, sendo uma dessas do Estado e a outra locada.

Em 1990 a então fundação transferiu-se para a nova capital Palmas, ocasião em que o buscou novos investimentos, dando os primeiros passos para se tornar um órgão consolidado e forte, e assim, descentralizar sua atuação junto à sociedade tocantinense.

Em Palmas, o órgão construiu e mudou-se para a sede própria em 1998, recebeu servidores efetivos e facilitou o acesso da sociedade através da criação das Unidades Regionais. As primeiras UR foram instaladas em Formoso do Araguaia, Lagoa da Confusão e Caseara, onde passou a atuar através do Parque Estadual do Cantão.

Depois disso, outras Unidades Regionais foram criadas, e hoje o órgão conta com 15 agências distribuídas estrategicamente pelo Estado que atuam na conscientização, regularização, fiscalização e monitoramento ambiental. As regionais estão instaladas nos municípios de Araguaína, Araguatins, Tocantinópolis, Goiatins, Palmas, Gurupi, Formoso do Araguaia, Lagoa da Confusão, Paraíso, Alvorada, Arraias, Pedro Afonso, Arapoema, Dianópolis e Colinas do Tocantins.

Com uma demanda cada vez maior, a estrutura do Naturatins tornou-se bem diferente e melhor do que alguns anos atrás. Atualmente o Instituto conta com mais de 431 servidores, sendo 217 na sede, 178 nas UR e 36 nas UCs. Além de equipamentos,

Unidades de Conservação

No decorrer desses 25 anos, com o principio de zelar pela preservação e conservação da fauna, flora e mananciais tocantinenses, o órgão tornou-se responsável pela gestão das Unidades de Conservação. Ao todo são quatro Unidades de Conservação de Proteção Integral: os parques estaduais do Cantão, situado na região centro-oeste do Estado; do Jalapão, ao leste; do Lajeado, localizado na região central, em Palmas; e o Monumento Natural das Arvores Fossilizadas, em Filadélfia, ao norte do Tocantins. Além dessas ainda tem as Áreas de Proteção Ambiental – APA´s Serra do Lajeado, Ilha do Bananal Cantão, Lago de Palmas e Nascente de Araguaína.

Parcerias

O Naturatins também tem a preocupação de promover ações voltadas para o bem-estar socioambiental, por meio de projetos que têm como foco o manejo sustentável dos recursos naturais geradores de renda familiar. Dentre as ações desenvolvidas destacam-se os trabalhos parceria com as comunidades do entorno das UCs, apoio à pesquisa em Unidades de Conservação que resultou no manejo ordenado do capim dourado; fonte de renda das famílias tradicionais do Jalapão.

Controle Ambiental

Atualmente, o Tocantins é considerado o grande celeiro do Brasil no que se refere à produção agrícola e pecuária, e à medida que o Estado cresce economicamente, cresce também a demanda do Naturatins na emissão de licenças ambientais para instalação e operação de grandes empreendimentos de norte a sul do Tocantins.